María Pérez Medel: “As pessoas estão mais conscientes e dispostas a implementar medidas de eficiência energética”

María Pérez Medel: “As pessoas estão mais conscientes e dispostas a implementar medidas de eficiência energética”

Em entrevista exclusiva ao Green Savers, a responsável pela Promoção da Eficiência Energética da Gas Natural Fenosa, María Pérez Medel, explica o projecto 3e-houses e dá conselhos aos leitores do nosso agregador sobre como podem poupar nas facturas da electricidade, gás e água.

Quando poderá o projecto 3e-houses [na foto] ser uma realidade efectiva para os consumidores europeus?

O projecto-piloto foi realizado simultaneamente em Espanha e na Alemanha e está agora a ser replicado na Inglaterra e na Alemanha. A Comissão Europeia espera obter resultados globais no princípio de 2013.

Qual o investimento total neste projecto, especificamente nas habitações de Sant Cugar del Vallès?

No piloto espanhol, e para além da Gas Natural Fenosa, intervêm também outras empresas. Por motivo de confidencialidade não podemos disponibilizar este tipo de dado.

A monitorização em tempo real dos consumos de electricidade ou água leva os consumidores, de alguma forma, a melhorarem as suas práticas ambientais?

A consciencialização dos consumidores é uma das conclusões do projecto-piloto. O facto de os consumidores visualizarem o consumo energético diário em tempo real leva-os a alterar os comportamentos de consumo de forma muito rápida. Ao conseguirem reduções significativas nas facturas da água e electricidade ficam ainda mais motivados para continuar a reduzir custos. O total do ano em que decorreu o projecto foi de uma redução de 20% no consumo energético.

Porque razão ainda não existem à venda, de forma massificada, estes aparelhos de monitorização em tempo real?

Actualmente já existem equipamentos de monitorização em tempo real, mas a venda ainda não é massiva porque os preços ainda são elevados para o consumidor médio. Uma vez que as áreas de gestão e monitorização energética evoluem muito rápido, e sempre com notáveis reduções de custo nos equipamentos e com um interesse crescente pelos utilizadores deste tipo de soluções, espera-se que dentro de uns anos a comercialização deste tipo de equipamento já seja mais alargada.

Que medidas do projecto ajudaram as habitações a reduzirem a sua factura energética?

Para conseguir reduzir custos relacionados com a energia nas vivendas, as duas principais medidas foram muito simples: deixar de ter eletrodomésticos em modo stand-by e instalar termostatos programáveis no aquecimento. Nas zonas comuns, as medidas passaram pela redução do tempo de iluminação automática das garagens e patamares, foram implementados sistemas de controlo para ventilação das garagens, foram instalados detectores de presença nos elevadores, para as luzes não estarem acesas 24 horas por dia, e o sistema de controlo das caldeiras foi optimizado para um sistema mais eficiente.

Que conselhos básicos de eficiência e poupança energética pode dar aos nossos leitores? É possível ter resultados nesta área com investimentos low cost?

A poupança energética é influenciada por todos os equipamento que temos e pelo factor utilizador. Há um ano que existem eletrodomésticos da classe A++/+++, muito mais eficiente que a classe A equivalente. Na hora de comprar uma máquina de lavar, um frigorífico ou uma televisão, convém ter este aspeto em conta porque assim conseguimos poupanças significativas.

No que toca ao factor utilizador, a ideia que não devemos esquecer é a de evitar consumos desnecessários. Por exemplo, na cozinha, o lume ou potência devem estar adequados ao tamanho da base da panela, deve-se evitar abrir o forno enquanto se cozinha. Optar pelo duche em vez dos banhos prolongados, instalar redutores de caudal nas torneiras, apagar as luzes das divisões vazias. Todas estas são medidas low-cost que nos ajudam a poupar.

De que forma está a crise financeira e o aumento das facturas de electricidade, gás e água a mudar a forma como as pessoas olham para poupança de recursos?

A crise financeira provocou uma diminuição das entradas de dinheiro em muitas famílias. Há uma maior consciência do gasto a todos os níveis da sociedade, e há também no gasto fixo que engloba as facturas da eletricidade, gás e água das casas. Este tipo de consumos têm ganho importância nos últimos anos, fazendo com que as pessoas estejam mais conscientes e dispostas a implementar medidas de eficiência energética.

E como podem empresas como a Gás Natural ou Indra ajudar os cidadãos a reduzir estas facturas?

Na Gas Natural Fenosa fazemos especial finca-pé em proporcionar todo o tipo de informação relacionada com a eficiência energética: conteúdos do nosso site, campanhas de fidelização em que proporcionamos electrodomésticos eficientes e campanhas de captação onde incentivamos a substituição de lâmpadas incandescentes por lâmpadas de baixo consumo ou LED.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores